Arquivo do mês: setembro 2011

Hum… degustação…

Gente, a noite de 22 de setembro foi maravilhosa!

Fui convidada para uma noite de degustação pelas chefs Clara Miranda (minha querida xará) e Luisa Ribeiro.

O evento aconteceu no Serrano Hotel e muita gente bacana compareceu, prestigiando.

As degustações eram simplesmente deliciosas!!!!!

Essas meninas nasceram para isso!

Além das comidinhas dos deuses, ainda fomos presenteados com uma linda seresta e uma apresentação de dança do ventre.

O que mais dizer?

as fotinhas abaixo contam tudo!!!!

Eu com as chefs Clara Miranda e Luisa Ribeiro

 

 

Olhem as delícias!!!

Mais delícias!!!

Eu e Carol (a fotógrafa gatinha!!!)

Hum… os docinhos!!!

Hum… mais docinhos!!!!

A serenata

Serenata boooa!!!

A dança do ventre

A dança do ventre

A noite começando…

Contato com essas chefs maravilhosas: www.clxbuffet.com.br / encomendas@clxbuffet.com.br / (32) 8855 1326 / (32) 8888 4641

Deixe um comentário

Arquivado em Eventos

Mochila Pesada

Conheça os problemas que uma mochila pesada pode causar

Pense bem no peso e na forma como seu filho anda levando a sua mochila. Ela deve ser carregada sempre nas costas, utilizando as duas alças para evitar que o peso se acumule em um único lado do corpo. Os modelos que possuem rodinhas podem ser uma alternativa, mas o puxador deve ser do tamanho adequado à sua altura.

O excesso de peso que se carrega na mochila durante o ano letivo faz mal à coluna, afetando a postura. Os problemas podem ser notados no curto ou no longo prazo. Se você não quer que seu filho tenha um dos problemas abaixo, causados pelo uso incorreto e pela carga levada nas costas, preste atenção: o peso da mochila não deve exceder 10% do peso do corpo.

Confira quais os problemas que podem ser causados à sua coluna:

– Escoliose. A coluna entorta para um dos lados e deixa um ombro mais alto que o outro. Isso pode acontecer se você carrega a carga em apenas um dos ombros. Os sintomas são dores nas costas, braços e pernas.
– Hiperlordose. O bumbum fica empinado porque há um aumento da curva que fica próximo à base da coluna. O sinal do problema costuma ser principalmente dores nas pernas.
– Hipercifose. Aumento da curvatura no meio da costas, deixando ombros e pescoço inclinados para a frente e formando uma corcundinha. Os sintomas são dores nas costas, braços e mãos.
– Pinçamento do nervo. A coluna tem uma espécie de amortecedor entre uma vértebra e outra. A má postura ou movimentos bruscos pode fazer com ele saia do lugar e comprima a medula. Resultado: dor aguda na hora de fazer um determinado movimento. – Hérnia de disco. Quando aquele amortecedor (ou disco) sai do lugar, pode dar origem a uma hérnia na coluna, limitando os movimentos.

Fonte: Centro de Ortopedia do Hospital Oswaldo Cruz

Deixe um comentário

Arquivado em Saúde

Escolha da graduação é um dilema para grande parte dos estudantes

Estou com nova matéria no site Ecaderno desde o dia 06 de setembro. o link é http://www.ecaderno.com/pre-universitario/noticias/4173/escolha-da-graduacao-e-um-dilema-para-grande-parte-dos-estudantes.html.

Para quem quiser, segue o texto na íntegra abaixo:

No Brasil, cerca de 20% dos jovens desistem da primeira graduação. A Psicopedagoga Clara Duarte dá dicas para diminuir a chance do erro.

As inscrições para o Vestibular e PISM da Universidade Federal de Juiz de Fora (UFJF) estão abertas. Os futuros calouros têm até às 15h do dia 19 de outubro para marcar qual carreira querem seguir. No entanto, segundo especialistas, de cada três vestibulandos, dois não sabem ao certo o que querem fazer.

Para quem já fez a opção e já se inscreveu, é só ter tranquilidade nos primeiros períodos, quando os conteúdos são gerais e podem colocar em dúvida a opção escolhida, afirma Clara.

É uma decisão difícil, que irá definir o futuro profissional de cada um. As opções são muitas. Só na UFJF, por exemplo, são quase 40 cursos diferentes oferecidos e, na hora de marcar a graduação, muitos começam a refletir sobre a escolha. De acordo com a psicopedagoga Clara Duarte, que orienta adolescentes vestibulandos há 12 anos, os estudantes devem unir os pensamentos, refletindo sobre o que satisfaz os seus desejos pessoais e o que os realiza profissionalmente. Basicamente, tudo deve ser levado em consideração: vocação, remuneração e mercado de trabalho.  Os vestibulandos devem procurar saber sobre a prática do profissional, como ele irá atuar no mercado.

Outro passo importante é conversar muito. Ir atrás de profissionais atuantes no mercado, amigos, parentes e professores. O recomendável é obter o máximo possível de informações confiáveis sobre o curso. “Além das conversas, é interessante buscar perfil de profissões em sites da internet”, afirma Clara Duarte. Existem várias fontes de informações como guias, revistas e manuais de profissões. Aqui no Ecaderno, por exemplo, nós temos uma seção exclusivamente destinada às carreiras. O importante é pesquisar! Clara Duarte afirma que depois desta busca, vale ir atrás da orientação profissional. “Os vestibulandos devem procurar ajuda de profissionais que atuem com testes vocacionais”, conta.   

Seguindo todos esses passos, as chances de errar na escolha do curso são menores. No Brasil, cerca de 20% dos jovens desistem da primeira graduação. Os cursinhos preparatórios estão lotados de pessoas que já experimentaram a alegria de terem sido aprovados no vestibular, mas desistiram. Isso comprova que a chance do erro existe, mesmo tendo pensado e refletido com cuidado. A psicopedagoga Clara afirma que a troca de curso não é o fim do mundo, e que não é preciso desesperar. No entanto, é preciso ter certeza sobre essa decisão. “Para quem já fez a opção e já se inscreveu, é só ter tranquilidade nos primeiros períodos, quando os conteúdos são gerais e podem colocar em dúvida a opção escolhida. Entretanto, se durante o percurso não se sentirem adaptados, nunca é tarde para mudar”.

Obrigada, Rafaela!

Deixe um comentário

Arquivado em ENEM, Geral, Profissões, Universidade, Vestibular

Enurese Noturna: o xixi na cama

 

Por que meu filho faz xixi na cama?

Molhar a cama é um problema muito comum. É normal que a criança molhe a cama mesmo até os 6 anos de idade. A maioria das crianças que fazem xixi na cama têm a bexiga pequena e portanto não podem conter toda a urina que se forma durante a noite. Também podem dormir profundamente e não despertam quando a bexiga está cheia. A maioria das crianças que fazem xixi na cama têm rins saudáveis e não têm problemas emocionais. É importante ajudar seu filho de forma correta. Do contrário, depois podem ocorrer problemas emocionais.

Qual a duração do problema?

A maioria das crianças que molham a cama deixarão de fazê-lo entre os 6 e 10 anos de idade. Mesmo sem ajuda, todas as crianças superam isto em algum momento. É importante ajudar a criança que não deixou de fazer xixi na cama para que não se sinta mal consigo mesmo.

Como posso ajudar meu filho?

– Ajude a criança a se levantar para urinar durante a noite.
– Facilite para que ele chegue ao banheiro deixando uma luz acesa. Se o banheiro ficar longe, deixe um urinol em seu quarto.
– Faça a criança beber muito líquido na manhã e no início da tarde: quanto mais líquido ele beber, mais urina vai produzir. Quanto mais urina, maior a bexiga.
– Não deixe que a criança beba muito líquido nas 2 horas antes de deitar-se.
– Certifique-se de que a criança foi ao banheiro antes de deitar-se. As crianças maiores podem sentir-se melhor se for colocado um aviso ao lado da cama ou no espelho do banheiro.
– Não ponha fraldas ou calça plástica para evitar que a criança não sinta necessidade de levantar-se à noite.
– Elogie a criança ao se levantar seca.
– Seja amável quando a criança molhar a cama. A maioria das crianças sentem-se culpadas e envergonhadas pelo problema do xixi na cama. Necessitam de apoio e ânimo. A culpa, a bronca e os castigos não ajudam. Pressioná-las apenas fará com que elas continuem com o problema por mais tempo.

O que fazer se a criança tiver mais de 6 anos de idade?

Quando a criança completar 6 anos, você pode fazer várias coisas a mais para ajudá-lo:

As seguintes instruções na hora de dormir podem ajudar, são orientações que você pode dar ao seu filho:

1- Deite-se na cama com os olhos fechados.
2- Aja como se já fosse metade da noite.
3- Aja como se a bexiga estivesse cheia e que já tivesse que ir ao banheiro.
4- Aja como se a bexiga tivesse acordado você.
5- Aja como se a bexiga tivesse dito “Levante-se antes que seja tarde demais”.
6- A seguir corra para o banheiro e esvazie a bexiga.
7- Lembre-se de fazer isso à noite, quando estiver com vontade de fazer xixi.

O que fazer se a criança tiver 8 anos de idade ou mais?

Tente todas as sugestões. Talvez você tenha que falar com seu médico sobre o uso de alarmes ou medicamentos.

Procure ajuda médica se:

– Houver dor ou ardor quando a criança urinar.
– O jorro de urina for fraco ou fino.
– A criança também se molhar durante o dia.
– Molhar a cama for um problema novo (seu filho já conseguia se manter seco antes).
– A criança tiver mais de 12 anos de idade.
– A criança tiver mais de seis anos e não melhorar após três meses seguindo estas sugestões.

Este texto é uma adaptação de B.D. Schmitt, M.D., autor de “Your Child’s Health” Bantam Books

Deixe um comentário

Arquivado em Enurese noturna

Os problemas de visão da infância

No dia 30 de agosto, recebemos na Rádio Catedral, o Dr. Lúcio Ney Ribeiro (Oftalmologista). O médico foi extremamente gentil e compareceu ao estúdio para falar sobre problemas de visão de crianças.

Dr. Lúcio afirmou que ao nascerem, os bebês não têm a visão normal de um adulto, mas eles podem enxergar. Recém-nascidos podem identificar grandes formas e rostos, mas são incapazes de distinguir pequenos detalhes. O rosto humano tem um grande apelo visual. Devido à imaturidade do sistema visual, as crianças provavelmente não conseguem distinguir variações de cores em tom pastel ou pequenas variações de sombras, mas podem ver cores claras e fortes em contraste tipo claro/escuro.

O desenvolvimento do sistema visual dos bebês é grande durante o primeiro ano de vida. A visão se desenvolve rapidamente neste primeiro ano e, já no terceiro ou quarto mês de idade, a maioria dos bebês consegue enxergar pequenos objetos. Nesta época, alguns bebês já conseguem distinguir várias cores (especialmente o vermelho e o verde). Eles conseguem focalizar objetos próximos e distantes e são capazes de distinguir um rosto humano real de um que seja desenhado. Até o quarto mês de vida, os olhos do bebê deverão estar alinhados (trabalhando juntos) para dar a eles visão de profundidade ou visão binocular. Aos 12 meses de vida, uma criança atinge o nível de visão dos adultos. A velocidade do desenvolvimento da visão na criança é individual, mas a forma como este desenvolvimento ocorre é a mesma em todo ser humano. Devido a este rápido desenvolvimento do sistema visual durante o primeiro ano de vida, é muito importante que problemas oculares sejam detectados precocemente, a fim de se prevenir um defeito visual.

A miopia, o astigmatismo e a hipermetropia são os problemas de vista mais comuns em crianças e bebês. Segundo a Academia Americana de Oftalmologia, os problemas de vista como a miopia, a hipermetropia, o estrabismo, ou outros, afetam mais de 20% das crianças em idade escolar. Isso representa que um em cada quatro escolares sofre algum problema visual, pelo que é muito importante que as crianças sejam examinadas para identificar possíveis problemas visuais que possam prejudicar seu desempenho acadêmico.

Tudo isso pode ser consequência do grande esforço intelectual, que se vêem submetidos os pequenos desde as idades menores. A televisão, o computador, etc., são aparelhos que exigem muito do sistema visual da criança, chegando a impedir, em alguns casos, seu adequado desenvolvimento.

Se o seu filho apresenta dor de cabeça ao sair da escola, tem olhos irritados ao fazer suas tarefas escolares ou franzir a testa no momento de ler, provavelmente se deva a uma dificuldade na visão. As crianças podem ter problemas refrativos como miopia, hipermetropia e astigmatismo, como também problemas como estrabismo: olhos desviados (ou cruzados); ambliopia: olho preguiçoso ou a ptose: queda da pálpebra superior, que podem alterar a vida escolar dos pequenos estudantes.  

O cuidado dos olhos nas crianças também inclui protegê-los dos efeitos dos raios UV emitidos pelo sol.

Crianças e bebês miopes

As crianças que sofrem miopia, se caracterizam por não verem corretamente os objetos ou pessoas que se encontram longe. As crianças podem apertar os olhos para enfocar melhor. Aquelas que não usam óculos, normalmente, são mais tímidas e distraídas, e preferem atividades como a leitura, pintura ou trabalhos manuais. Os sintomas podem ser confundidos com transtornos da escrita, como é o caso da dislexia, já que muitas crianças, por não conseguirem ver bem, podem trocar, ao copiar de uma lousa, letras como o p com o q, ou a letra d com a b. Nesses casos o melhor é consultar um oftalmologista, o antes possível.

Hipermetropia em crianças e bebês

A hipermetropia é justamente o contrário da miopia. Os afetados pela hipermetropia tem uma percepção borrada de objetos próximos. É normal das crianças, ao forçar a vista, apresentarem dor de olhos ou cabeça, lacrimejar, e piscarem frequentemente. Geralmente, preferem brincar ao ar livre.

O astigmatismo em crianças e bebês

Uma pessoa com astigmatismo percebe uma visão deformada das coisas, tanto de longe como de perto. Pode estar associado à miopia ou à hipermetropia, apresentando sintomas de ambas patologias.

Ambliopia ou olho vago em crianças e bebês

Ambliopia ou olho vago, consiste na perda parcial da visão em um ou nos dois olhos de uma criança que não pode ser corrigida com lentes. Pode corrigir-se quando se detecta e se trata antes dos 7 anos. Se não se trata antes dessa idade pode implicar numa grande perda de visão do olho afetado, dado que este não se desenvolve adequadamente e, pouco a pouco, vai deixando de trabalhar, de estimular-se, com o que acaba perdendo a capacidade de visão. Essa patologia ocular se apresenta na idade infantil, portanto sua detecção precoce é fundamental para um tratamento adequado.

Estrabismo em crianças e bebês

O estrabismo é uma perda de paralelismo dos olhos, onde cada um deles aponta em direção diferente. Esse defeito ocular supõe um problema grave do sistema visual que deve ser avaliado imediatamente por um especialista.

Para contato com Dr. Lúcio, procure Clínica de Olhos Minas Visão: Av. Rio Branco 2001 (Ed. Century XXI), salas 2206 e 2207 / Centro – Juiz de Fora – Telefones: (32) 3215-1821 e 3218-4007 / E-mail: minasvisao@gmail.com

Deixe um comentário

Arquivado em Oftalmologia

Criança Mimada

 

Hoje vamos trabalhar um assunto delicado: o mimo. Para isso precisamos primeiro entender o amor. O amor de um pai e de uma mãe por um filho é imenso, descomunal, chega a não caber no peito e em nome deste amor, alguns pais podem cometer alguns deslizes. A partir do momento em que a criança nasce ela precisa que suas necessidades básicas sejam satisfeitas, como alimentação, proteção e carinho. O mimo começa quando os pais satisfazem mais do que a criança precisa. O mimo é o excesso de tudo: de cuidados, de paparico, de apego, mas mimo não é demonstração de amor.
Muitos pais não permitem que o filho aprenda com seus erros e tentando evitar que este filho sofra, resolvem tudo por eles. Resolvem a briga com o coleguinha da escola, fazem a lição de casa para o filho ao invés de ajudá-lo a fazer, resolvem tudo por ele, presenteiam demais sem ter um porquê, se algum brinquedo quebra, correm para comprar outro (o certo seria tentarem consertar o brinquedo juntamente com a criança, assim ela aprenderá a consertar suas atitudes quando for mais velha), enfim, coisas que não permitem que o filho cresça.
Este mimo transforma a criança em um adulto inseguro, que acha que tudo que fizer não será bom o suficiente, sem confiança em si mesmo, afinal, sempre fizeram tudo por ele, não é? Ele cresce sem acreditar que pode. Cresce sem força.
A criança naturalmente gosta de participar de tudo, gosta de ajudar e gosta de mostrar o que faz. Quantas vezes a mãe está lavando louça e a criança quer ajudar? Nestas horas deixe-a tentar. Não critique, pois ela estará fazendo dentro das limitações próprias da idade, e elogie muito a iniciativa dela de querer fazer e querer aprender algo novo.
A função principal dos pais é preparar o filho para o mundo, e no mundo provavelmente eles receberão muitos “nãos”. A criança mimada transforma-se em um adulto que não sabe receber um “não”. Ele se desestrutura e tentará de todas as formas manipular a situação para conseguir o que deseja. Isso acontece porque quando era criança todas as suas necessidades foram mais do que satisfeitas, então ela não aprendeu quando criança a capacidade de frustrar-se. Nós não temos tudo o que queremos, não é? Nem tudo o que desejamos, e geralmente damos conta disso, mas o mimado não consegue. E sofre muito quando não realiza algum desejo ou quando percebe que o mundo não gira somente ao seu redor (como era quando criança), trazendo inclusive sofrimento para os pais.
Muitos mimados recorrem às drogas como forma de fugir de um mundo tão cruel que não continuou o que os pais começaram: a suprir-lhe todos os desejos. E os pais inconformados com a ira do destino, não entendem como o filho pode ser assim, sendo que deram de tudo pra ele.
O mimo está intimamente ligado à dificuldade dos pais de colocarem limites nos filhos e no seu próprio apego. Amor não é apego. Amor é criar com o coração e com a cabeça junto, viu?
As crianças precisam vivenciar experiências de ganhos e perdas, brigas e fazer as pazes, dividir, compartilhar, e é assim que elas vão aprendendo a viver em sociedade, para que quando se tornarem adultos aprendam seus limites, os limites do outro e principalmente respeito.

 

Colaborou: Maria de Fátima Hiss Olivares – Psicóloga Clínica

Deixe um comentário

Arquivado em Criança Mimada

História em Quadrões

 

Mauricio de Sousa (Santa Isabel, 27 de outubro de 1935) é um dos mais famosos cartunistas do Brasil, criador da “Turma da Mônica.

Filho de Antônio Maurício de Sousa (poeta e barbeiro) e de Petronilha Araújo de Sousa (poetisa). Mauricio de Sousa começou a desenhar cartazes e ilustrações para rádios e jornais de Mogi das Cruzes, onde viveu. Procurou emprego em São Paulo, como desenhista, mas só conseguiu uma vaga de repórter policial na Folha de São Paulo. Começou a desenhar histórias em quadrinhos em 1959, quando uma história do Bidu, seu primeiro personagem foi aprovada pelo jornal.

Atualmente Bidu, que é o animal de estimação de Franjinha, participa tanto com seu dono como em historinhas em que é o astro principal, dialogando com outros cães e até com pedras(!). Bidu é o símbolo da empresa de Maurício, a Maurício de Sousa Produções.

Em 1963, Mauricio de Sousa cria junto com a jornalista Lenita Miranda de Figueiredo, Tia Lenita, a Folhinha de S.Paulo. Sua personagem Mônica foi criada neste ano.

Mauricio montou uma grande equipe de desenhistas e roteiristas e depois de algum tempo passou a desenhar somente as histórias de Horácio, o dinossauro.

Pai de dez filhos, além de criar personagens baseados em seus amigos de infância, Mauricio sempre criou personagens baseados em seus filhos, tais como: Mônica, Magali, Marina, Maria Cebolinha, Nimbus e Do Contra.

Os quadrinhos de Mauricio de Sousa têm fama internacional, tendo sido adaptados para o cinema, para a televisão e para os vídeo-games, além de terem sido licenciados para comércio em uma série de produtos com a marca dos personagens. Há inclusive o parque temático da Turma da Mônica, o Parque da Mônica, em São Paulo. Já existiu também o Parque da Mônica de Curitiba, aberto em 1998 e fechado em 2000 e o do Rio de Janeiro, fechado no início de 2005.

De 1970 a 1986, as revistas de Mauricio foram publicadas na editora Abril, porém a partir de janeiro de 1987 foram publicadas pela editora Globo, em conjunto com os estúdios Mauricio de Sousa. Após 20 anos de editora Globo, todos os títulos da Turma da Mônica passaram, a partir de janeiro de 2007, para a multinacional Panini[1], que detinha, na data, os direitos das publicações dos super-heróis da Marvel e DC Comics.

Em jornais, as tiras de Mauricio de Sousa são publicadas desde 1959.

Alguns de seus filhos que viraram personagens passaram a trabalhar com Mauricio:

Mônica: Responsável pela divisão comercial de alimentos e produtos licenciados. Magali: Colabora como roteirista. Marina: Ajuda na criação de novas histórias. Em 2007, o artista se tornou profissional da Panini Comics e foi homenageado na escola de samba Unidos do Peruche.

 

Turma da Mônica faz arte no MAMM…literalmente! 

 

 

Museu em Juiz de Fora recebe exposição “História em Quadrões”, de Mauricio de Sousa

           

Sem qualquer trocadilho, a Turma da Mônica pinta o sete no Museu de Arte Murilo Mendes (MAMM), em Juiz de Fora (MG), a partir de 12 de agosto, quando o espaço recebe a exposição História em Quadrões – Pinturas de Mauricio de Sousa. Uma mostra, na qual o desenhista faz releituras de grandes obras-primas da história da arte mundial.

Mauricio dedicou-se a essa produção de pinturas e esculturas a partir de 1989. A proposta é estimular crianças e jovens a visitarem os museus aprendendo sobre os grandes mestres das artes e, ao mesmo tempo, se divertirem. Assim, Mônica, Cebolinha, Chico Bento, Cascão e Magali, ao lado de alguns outros tantos personagens do desenhista, fazem poses famosas numa alusão às importantes criações das artes plásticas.

Leonardo da Vinci, Michelangelo, Monet, Van Gogh e Portinari: Mauricio de Sousa voou longe e trouxe 22 obras, entre pinturas (acrílica sobre tela) e esculturas, nos quais seus personagens parodiam grandes ícones da história da humanidade. Todos expostos na galeria Convergências do MAMM.

IMPERDÍVEL!

 

 

Deixe um comentário

Arquivado em Desenhos