GERAÇÃO ARROBA

 Gente, estou muito feliz!

O Jornal Tribuna de Minas publicou hoje (19/04) mais um de meus artigos. Nele, eu falo sobre nossa virtualização. Segue abaixo o texto na íntegra.

Aguardo comentários!

Geração Arroba

“Trezentos e vinte e sete”. Essa foi a resposta que um estudante pré-adolescente me deu ao ser questionado se tinha muitos amigos. Então perguntei: Como você sabe o número exato de amigos que tem? Mas, me lembrei da resposta: Este é o número de seguidores que ele tem na rede social que utiliza.

Ele sempre sabe onde essas pessoas passam os finais de semana. Ao ver as fotos, sabe o que fizeram nos últimos dias. Lendo seus status, sabe o que estão sentindo, se estão namorando, o filme e a música preferidos, o que gostam de comer e assim por diante. Com um clique, esse aluno manda um convite para alguém da rede social do amigo que ele está “visitando” e, rapidamente, tem um novo amigo. Simples assim!

Essa é uma das realidades dos nossos dias. Alguns sabem tudo o que acontece com uma pessoa que está a 980 km de distância, mas pouco conhecem do seu vizinho de apartamento que está a meio metro. Hoje, as amizades virtuais substituíram antigos costumes, como dar um aperto de mão ou um abraço, parar na esquina da rua para conversar por um momento ou marcar um encontro para colocar as conversas em dia.

Refletir sobre o ser humano se relacionando no mundo real já é algo um pouco distante, mas refletir sobre esse ser humano se relacionando no mundo virtual já é uma constante, pois amizades e romances, em nossos dias, têm começado virtualmente. Então fica mais uma pergunta: O que é virtual nos dias de hoje?

Está enganado quem pensa que o virtual está apenas na rede, pois ele se faz presente em todas as atitudes diárias. A virtualização dos corpos é um fato constante na sociedade contemporânea, em que a maioria não sai de casa sem o celular, ipod e mp3, 4 (ou sei lá qual).

Precisamos parar e pensar como os bebês nascerão daqui a alguns anos, já que o poder de assimilação dessas crianças é, a cada dia, mais rápido. É a geração arroba, dominando toda a tecnologia, sabendo ligar e desligar computador, notebook e qualquer outro objeto tecnológico existente. As crianças já nascem com suas fotos expostas em todas as redes sociais, incluindo até o site da maternidade. Quanto tempo faltará para que cada bebezinho venha com seu chip e todas as atividades programadas?

Seria tão bom se cada um perdesse a conta de quantos amigos tem! Bastaria sair na rua e começar a cumprimentar seu vizinho de rua, de apartamento, dizer “bom dia” quando passa por alguém pelo caminho. Mais fácil do que ter que enviar um convite para o outro convidando-o para ser seu amigo, pois basta um simples gesto de simpatia e de carinho com a outra pessoa!

Anúncios

Deixe um comentário

Arquivado em Artigo

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s